Credenciamento para orientadores

1  O credenciamento e recredenciamento de orientadores para Mestrado e Doutorado no Programa de Ciências Morfofuncionais terá validade de 5 (cinco) anos e será feito por meio de uma análise geral de desempenho a partir de critérios mínimos, mas não suficientes, aprovados pela CCP e deliberados pela CPG, com base em parecer detalhado de assessores internos e /ou externos.

2  Critérios mínimos para credenciamento de Orientadores Plenos

Serão considerados orientadores plenos, aqueles que alcançarem os critérios apontados abaixo:

  • Linha de Pesquisa definida;
  • Condições laboratoriais adequadas para o desenvolvimento do trabalho, incluindo participação direta ou indireta em projetos de pesquisa financiados;
  • Publicação regular de pelo menos 3 artigos a cada 3 anos na sua área de atuação em periódicos de circulação internacional indexados pelo ISI, com fator de impacto igual ou superior à mediana da área (Ciências Biológicas 1), segundo os critérios da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES (conforme disponível no site: capes.gov.br).
  • Contribuição em Disciplinas de Pós-graduação do Programa, as quais deverão ser oferecidas de forma regular (periodicidade mínima de 1 vez a cada triênio) e Comissões de Exames de Qualificação, Dissertações e Teses do Programa;
  • Orientação prévia de estudantes de Iniciação Científica ou de Pós-graduação em nível de Mestrado e/ou Doutorado.

3 Critérios mínimos para credenciamento de Orientadores Específicos, incluindo docentes externos e professores visitantes

  • Linha de pesquisa definida, de interesse do Programa e que seja inovadora;
  • Produção científica expressiva e veiculada em periódicos internacionais indexados pelo ISI, com fator de impacto igual ou superior à mediana da área (Ciências Biológicas 1), segundo os critérios da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES, relacionado à sua área de inserção e que demonstre competência na sua área de atuação (referência mínima de pelo menos 5 artigos a cada 5 anos);  
  • Condições laboratoriais adequadas para o desenvolvimento do trabalho, incluindo participação direta ou indireta em projetos de pesquisa financiados;
  • Para o credenciamento do orientador deverá fazer parte da análise do projeto de pesquisa a ser desenvolvido pelo aluno;
  • A inclusão de uma nova orientação fica vinculada à existência de publicação anterior, oriunda de orientações em andamento ou concluídas no Programa. O tempo de titulação também será considerado;
  • Não será aceito o credenciamento no Programa de Ciências Morfofuncionais de técnicos(as) de nível de superior, estagiários(as) de pós-doutorado ou bolsistas do Programa de Jovens Pesquisadores da FAPESP.

4  Critérios mínimos para credenciamento de coorientadores

Credenciamento de Coorientadores poderá ocorrer para alunos de Mestrado, Doutorado e Doutorado Direto. A solicitação deverá estar acompanhada de uma justificativa circunstanciada do orientador, explicitando com clareza a inserção do coorientador no projeto do aluno. Cabe à CCP, pautada por pareceres externos / internos, a decisão final sobre a solicitação de credenciamento para coorientadores, a qual será deliberada pela CPG.

Os critérios são os mesmos já descritos para credenciamento de orientadores plenos e específicos (no caso de coorientadores externos);

A solicitação de coorientação deverá ser o mais precoce possível, não podendo exceder o prazo máximo de 15 (quinze) meses para o Mestrado, 24 (vinte e quatro) meses para o Doutorado e 30 (trinta) meses para o Doutorado Direto.

 

5  Critérios mínimos para recredenciamento de orientadores

Além dos critérios acima, ter:

  • Contribuído em Comissões de Exames de Qualificação, Dissertações e Teses;
  • Completado alguma orientação no período de cinco anos ou ter em andamento a orientação de pelo menos um estudante. Ainda, será considerado o número de estudantes por ele titulados no período, além do número de estudantes egressos sem titulação (evasão), no período.
  • Artigos científicos bem como Comunicações em Congressos (publicadas e/ ou apresentadas em parceria com pós-graduandos);
  • Participação como responsável ou corresponsável em Disciplinas de Pós-graduação, que sejam regularmente oferecidas.
  • Contribuição com a CCP na elaboração de pareceres, além de outras atividades relacionadas ao Programa.

 

6  Observações importantes:

O primeiro pedido de Credenciamento, tanto para o Mestrado como para Doutorado, deverá ser sempre específico. Somente após a conclusão da primeira orientação o docente poderá solicitar seu Credenciamento Pleno no ingresso de um novo aluno do Programa.

– O Credenciamento de orientadores externos à unidade será específico, podendo a CCP autorizar o Credenciamento Pleno mediante justificativa circunstanciada.

– O número máximo de orientados por orientador é 07 (sete), a contar todos os Programas de Pós-graduação aos quais o orientador está credenciado. Adicionalmente, o orientador poderá coorientar até 03 (três) alunos, como citado anteriormente. Solicitações de número superior de orientandos ao determinado pelo Regimento deverão ser encaminhadas à CCP, contendo justificativa circunstanciada. A CCP, pautada por pareceres externos/internos, irá analisar a solicitação de número de orientandos acima do previsto neste Regulamento, sendo de competência da CPG da Câmara de Avaliação (CaA) do CoPGr a deliberação do número máximo de alunos por orientador e coorientador, respeitados os limites máximos estabelecidos pelo Regimento de Pós-Graduação da Universidade.